Imagem por: UEL/O Perobal

O protocolo entre as instituições prevê o desenvolvimento de atividades pelo período de cinco anos, envolvendo docentes da área de Psiquiatria da UEL e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) com a equipe do professor italiano Andrea Cipriani, de Oxford, referência internacional em análises sobre a eficiência dos antidepressivos.

A Universidade Estadual de Londrina formalizou um novo Acordo de Cooperação Internacional com a Universidade de Oxford (Inglaterra), voltado ao intercâmbio de estudantes da área médica e aperfeiçoamento de uma plataforma que auxilia no diagnóstico de saúde mental.

O protocolo entre as instituições prevê o desenvolvimento de atividades pelo período de cinco anos, envolvendo docentes da área de Psiquiatria da UEL e da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) com a equipe do professor italiano Andrea Cipriani, de Oxford, referência internacional em análises sobre a eficiência dos antidepressivos.

A formalização do acordo foi conduzida pela Assessoria de Relações Internacionais (ARI). O trabalho dos pesquisadores conta com o apoio da Fundação Araucária e do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), da Prefeitura de Londrina.

O médico psiquiatra e docente do curso de Medicina da UEL Marcos Liboni integra o grupo de pesquisa. Ele destaca que o trabalho do professor Andrea Cipriani consiste na elaboração de um estudo científico que busca produzir dados que alimentarão uma plataforma que auxilia no diagnóstico de saúde mental, a chamada “Petrushka”.
Utilizando a Inteligência Artificial (IA), a plataforma é capaz de processar e analisar grandes conjuntos de dados (Big Data) oriundos de pacientes do mundo todo. O principal objetivo, ressalta Liboni, é auxiliar médicos psiquiatras e pacientes a escolherem os medicamentos mais adequados para o tratamento da depressão.

“É uma forma de promover uma abordagem mais participativa dos pacientes, seguindo preferências em relação aos efeitos colaterais. Também é um caminho interessante para chegarmos em marcadores biológicos que vão auxiliar na predição de respostas. Em um segundo passo, desejamos obter os preditores e, em um terceiro nível, a pesquisa deseja descobrir os fatores genéticos da doença”, explica Liboni.

Ainda de acordo com ele, o acordo internacional prevê a realização de estudos clínicos em Londrina, recebendo adultos e idosos que possuem um quadro depressivo. “São pessoas que ainda não iniciaram o tratamento e ou já iniciaram, mas estão dispostas a participar do estudo. Porque será um estudo pragmático, ou seja, de uma forma que é mais próxima possível do trabalho na clínica”, conclui.

Ainda estão envolvidos nas pesquisas o também médico psiquiatra e professor da UEL Diego Augusto Nesi Cavichioli e a dentista, doutora em Farmacologia e docente da PUC-PR Karen Fernandes, atual coordenadora do Núcleo de Apoio ao Pesquisador da Associação Médica de Londrina (AML).

REFERÊNCIA – Docente do Departamento de Psiquiatria da Universidade de Oxford, Cipriani esteve em Londrina nesta semana para a assinatura do acordo. Ele também ministrou na sede da Associação Médica de Londrina a palestra “Psiquiatria de precisão e a individualização de tratamento em saúde mental”.

Cipriani é professor e pesquisador no National Institute for Health and Care Research (NIHR) e também acumula as atividades de diretor em um hospital ligado à instituição e de editor-chefe de uma revista científica.

Ele atua há muitos anos com análises sobre a eficácia de antidepressivos, tendo liderado testes clínicos e pesquisas divulgadas nas principais publicações científicas sobre medicina do mundo, como a revista The Lancet – uma das mais antigas revistas de Medicina do mundo, fundada em 1823, no Reino Unido.

Siga-nos nas redes sociais:

Compartilhe: